sábado, 27 de outubro de 2012

DEVO-TE

devo-te tanto como um pássaro
deve o seu voo à lavada
planície do céu.

Devo-te a forma
novíssima de olhar
teu corpo onde às vezes
desce o pudor o silencio
de uma palpebra mais nada...

Devo-te o ritmo
de peixe na palavra,
a genesíaca, doce
violencia dos sentidos;
esta tinta de sol
sobre o papel de silencio
das coisas - estes versos
doces, curtos, de abelhas
transportando o polén
levíssimo do dia;
estas formigas na sombra
da propria pressa  entrando
todas em fila no tempo,
uma pergunta frágil
nas antenas, um recado invisível, o peso
que as deixa ser e esquece;
e a tua voz que compunha
uma casa, uma rosa
a toda a volta - ó meu amor vieste
rasgar um sol das minhas mãos!


Vitor Matos e Sá (O silencio e o tempo)

sábado, 20 de outubro de 2012

Não sei...

Não sei se é amor que tens, ou amor que finjes,
O que me dás. Dás-mo, tanto me basta.
Já que não sou por tempo,
seja em jovem por erro.
Pouco os deuses me dão, e o pouco é falso.
Porém, se o dão, falsa que seja, a dádiva
É verdadeira. Aceito,
Cerro os olhos: é bastante
Que mais quero?

Ricardo Reis *in odes*